Tempo





Tempo que voa, dispersando a felicidade, nas asas do destino.
Tempo cujas feridas nem sempre cicatrizam, no acervo das memórias.
Tempo e respetivas perdas: o reflexo das facadas de alguns que amámos que foram parte integrante deste corpo sem alma.
O percurso dos viajantes.
Do mais precioso, os atos e as memórias; a consciência tranquila. Todavia, é ao sabor do tempo que as vontades mudam e nelas oscilam as valências do presente.
O tempo que nos ensina.
Inusitados e entranhados no receio rumo ao amanhã, os seus mistérios.

Comentários

  1. Bom dia:- Será o tempo que nos trará noivos tempos. Temos que ter fé e esperança que tudo vai ficar bem.
    .
    Um domingo feliz
    Cuide-se... Proteja-se.

    ResponderEliminar
  2. Bonito testemunho da vida em cronologia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Entendes, tão bem, as minhas entrelinhas...
      Beijos meus.

      Eliminar
  3. Leu O Tempo, esse grande escultor?
    Faz todo o sentido, não faz?
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda não li, Pedro.
      Deixaste-me curioso.
      Abraço meu.

      Eliminar

Publicar um comentário

Este blogue é feito de histórias reais, emoções, prazeres, opiniões e alguma ficção. Também de pessoas que interagem e de uma mão que se estende, mesmo que cheia de nadas.

Não deixe de comentar!
Um abraço.
Paulo.