E Se as Crianças

Da Casa da Árvore



" E se as crianças perderem o ano escolar
E se em vez de aprender matemática, aprenderem a cozinhar?
Costurar suas roupas? Limpar?
A cultivar uma horta no quintal?
Se aprenderem a cantar músicas para seus avós ou seus irmãos mais meninos?
Se aprenderem a cuidar dos seus animais de estimação e a tomar banho?
Se desenvolverem sua imaginação e pintarem um quadro?
Se aprenderem a ser mais responsáveis e conectados com toda a família em casa?
Se nós os pais os ensinamos a ser boas pessoas?
Se aprenderem e souberem que estando juntos e saudáveis é muito melhor do que ter o último celular de moda?
Talvez isso nos falta, e se eles aprenderem, talvez não perdemos um ano, talvez ganhemos um tremendo futuro."
Fonte: Casa da Árvore

Comentários

  1. Boa noite Paulo!
    Sem dúvida. Tem toda a razão. Não vai ser fácil nem para alunos nem para Pais. Falo por mim. No fim vai tudo parar a uma Psiquiatria!
    Seria bem melhor que o ano fosse dado como perdido. Afinal, nem todos têm a possibilidade em assistir às aulas virtuais e tv
    -
    Segue o meu imaginário ...
    -
    Beijos e uma excelente noite!
    "Protejam-se"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Penso que a atual telescola não resultará como desejado ou no passado: aulas de 2 anos em simultâneo? A matéria do 5.º ano, sobretudo de CN, é totalmente diferente da do 6.º.
      Tal como no Luxemburgo, por exemplo, onde tenho um aluno, foi o Governo (ministério da educação) que instalou uma plataforma de trabalho para alunos e professores. Aqui, enfim..
      Como a vida não está acessível para todos os professores, acabei por não ceder o meu computador mais velho. E isso custa-me tanto, mas se este, de onde escrevo falhar, fico sem meio de trabalho. Por outro lado, os pacotes de dados. Estes são muito dispendiosos e a meu ver, o ideal é um tablet e não um smartphone. Por exemplo, não consigo escrever um texto no telemóvel porque, tal como a maioria dos homens, tenho dos dedos "grossos" e largos. Ok, o meu, embora "topo de gama", já tem 2 anos. Só se, entretanto, os monitores aumentaram...

      Beijos meus.

      Eliminar
  2. Um ano na vida de uma criança é MUITO tempo.
    E na vida de um estudante, sobretudo na primária, também.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tempos em que os anos parecem demorar a passar.
      Contudo, quando na unidade de autistas, lecionava matemática, a cozinhar. As funcionárias maravilhosas que trabalhavam comigo, ajudavam e eis que, sem se aperceberem, os meninos estavam a recorrer ao cálculo, às proporções e unidades de medida.

      Penso que um "ano de atraso" - um ano de aprendizagens para a vida, pelo que nunca pode ser "atraso" - permite uma melhor escolha da área a seguir, no 9.º ano e de integração no mundo académico. Éramos 5 ou 6 no 1.º ano de curso, com 18 anos. Os miúdos, sobretudo face à maior mancha etária, os de 23.
      Abraço.

      Eliminar
  3. Sempre bom lembrar que a educação está muito para além das matérias escolares e dos bancos de escola..... tantas aprendizagens imprescindíveis podem e devem ser feitas nestes momentos.....
    Beijinhos
    Maribel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida, Maribel. Infelizmente, muitos são os pais que não concordam, o que, aliás, se constata em alguns comentários à publicação. Face ao confinamento, se antes já considerava que os filhos eram um fardo para muitos, então agora...

      A ver se com o tempo consigo regressar em força à blogosfera.

      Beijo grande.
      Paulo

      Eliminar
  4. O que ainda ninguém entendeu é que este ano escolar está perdido e que para o ano vamos ter de o recuperar ou adaptar , porque isto veio para durar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo totalmente contigo.
      Tenho muito receio pelas medidas recentemente tomadas. Se "misturarmos" os conhecimentos das nossas disciplinas, facilmente se entende que uma pandemia não dura alguns meses. Por outro lado, sem um método de tratamento eficaz, os "descuidos" levarão a um aumento de casos. Por aqui, meio rural (uma mistura, mas mais rural), a euforia. "Já se pode", "Amanhã já abre isto e aquilo", mas o contágio permanece e não são as máscaras que nos conferem imunidade.
      Opinião muito pessoal: seria assim tão mau que os meninos do 12.º ingressassem no ensino superior no próximo ano? No meu tempo, éramos 5 com 18 anos e a imaturidade face ao grande grupo de 23 era notória. O mesmo se aplica ao 9.º ano, ao 6.º, 4.º... A todos.
      Beijos meus.

      Eliminar
  5. Só queria dizer que gosto mais deste visual. Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, Flora.
      É mais subtil, não achas?
      Se deixar as imagens pequenas, o texto fica ao lado, no início. Só que, gosto de fotografias grandes ...

      Eliminar
    2. Sim. É leve convidativo. O outro desculpa-me a franqueza era um pouco sombrio.

      Eliminar
    3. Não tens de pedir desculpa ;)

      Eliminar
  6. Se nós os pais os ensinamos a ser boas pessoas?
    É o que faz muita falta.

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Este blogue é feito de histórias reais, emoções, prazeres, opiniões e alguma ficção. Também de pessoas que interagem e de uma mão que se estende, mesmo que cheia de nadas.

Não deixe de comentar!
Um abraço.
Paulo.