Isto não vai correr bem

Desafio de Escrita dos Pássaros #2.1.




Imagem de Javier Robles por Pixabay

No nosso país, a palavra racismo tem vindo a ser utilizada de forma indiscriminada, com o cerne da questão nos indivíduos de raça negra. Este fenómeno consiste “no preconceito e na discriminação com base em perceções sociais baseadas em diferenças biológicas entre os povos.”

Nos últimos tempos, atos das forças policiais e pensamentos de alguns políticos têm sido denominados como tal, sem esquecer a morte de um jovem estudante. Apesar de não concordar com alguns dos comportamentos citados, importa referir que o racismo também tem como foco, indivíduos de raça branca, experiência que já vivenciei.

Por cá, o uso abusivo do conceito pode ter consequências nefastas. Os meios de comunicação social continuam a deturpar ou a disseminar, de forma agreste, realidades manipuladas que visam estimular discursos de ódio. Urge não nos deixarmos contagiar e ter em atenção os conteúdos divulgados e comentados nas redes sociais. 

A diversidade é uma riqueza, em termos sociais, culturais e do conhecimento; mas antes de qualquer rótulo, todos somos pessoas. Revelemos sensatez.

Comentários

  1. Boa tarde!
    Um belo texto. Infelizmente por muito que se diga e, ou faça, o racismo vai continuar sempre. Triste mas é verdade. É como o bulling...

    Tudo de bom para si e sua Mami! :)
    -
    Saudade/ Memórias - Parte 1
    Beijo e um excelente fim de semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente, no nosso país, esta triste realidade parece estar a despertar, cada vez mais. Não só em relação às diferenças da cor de pele, como também da origem das pessoas.

      Beijos mil

      Eliminar
  2. Temo este despertar de racistas, brancos e negros.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também, Maria.
      Sei que entendeu as minhas entrelinhas, pelo que reitero: eu também.
      Beijo meu.

      Eliminar
  3. Um conceito que até se usa em exagero, principalmente quando está envolvida uma pessoa negra. Mas muitas vezes são eles próprios que se sentem ofendidos sem razão.
    Gostei muito do texto!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente, por vezes acontece. De certa forma, por parte de todas as minorias. Como se tivessem deixado de acreditar que existem pessoas diferentes, ou os guetos culturais/habitacionais assim o induzam.
      Abraço.

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Concordo.
      Ambas as variáveis podem adquirir contornos muito perigosos.

      Eliminar
  5. reflexão interessante a que iniciaste aqui.
    bom final de dia :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado.
      Recorri a muitas entrelinhas, como entendeste, por forma a não ferir algumas sensibilidades políticas, entre outras.
      Penso que o racismo parte de uma génese inusitada. Odeio que me chamem "branquelas", "copinho de leite" ou digam "mas tu não apanhas sol?". Não, eu não bronzeio. Curiosamente, em relação a uma raça, são algumas destas pessoas, daquelas que "torram ao sol" as que manifestam atos racistas.

      Eliminar
    2. Apesar de saber que existem situações de racismo para "brancos", não se pode ainda comparar a dimensão do fenómeno. Casos pontuais existirão sempre, infelizmente, mas creio que não é similar o que acontece com negros e ciganos, por exemplo, com aquilo que acontece com caucasianos portugueses no nosso país.

      Eliminar
    3. Felizmente, os meus níveis de racismo são muito, mas mesmo muito, baixos. Já trabalhei com diferentes raças, etnias, religiões e não tive problemas.
      Contudo, não posso deixar de salientar o ódio (racismo) que parte de muitos "caucasianos". Inusitados como pessoas e nos atos.

      Eliminar

Publicar um comentário

Este blogue é feito de histórias reais, emoções, prazeres, opiniões e alguma ficção. Também de pessoas que interagem e de uma mão que se estende, mesmo que cheia de nadas.

Não deixe de comentar!
Um abraço.
Paulo.