Avançar para o conteúdo principal

O filme: Corre Rapaz Corre

Run Boy Run
Corre Rapaz Corre (Alemanha, Polónia e França, 2013) é um filme dramático, entre alusivo aos tempos da segunda grande guerra mundial, baseado em factos reais. Encontra-se disponível, gratuitamente, no catálogo da Rakuten TV.
Esta é uma obra repleta de sentimento, sensibilidade, beleza e valores, que nos permite acompanhar um pequeno órfão que, com a ajuda do pai, conseguiu fugir dos campos de concentração. Na sua senda, perdido na floresta ou a mendigar de porta em porta, oferecendo-se para trabalhar em quintas, o ódio dos seguidores da doutrina de Hitler. A circuncisão era suficiente para comprovar a origem judaica. 
Um filme perante o qual não ficamos indiferentes, com a mestria, o poder e os ensinamentos de O Menino do Pijama às Riscas e A Vida é Bela
Alguns dos momentos mais marcantes desta obra consistem no abate indiscriminado do cão de companhia do menino que um dia o salvou da morte, por soldados; a solidão; a perda de uma mão e parte do braço, durante trabalhos de…

Dos incêndios na Austrália

Fonte NASA


No Facebook do blogue partilhei 2 a 3 fotografias chocantes, partes integrantes de notícias, de animais carbonizados face aos trágicos incêndios que têm vindo a dizimar parte do continente australiano. 
Num comentário fui "insultado", por alguém que não me conhece e que afirmou estar a divertir-me com a situação.

De facto, regra geral, avaliamos a utilização das redes sociais, por parte dos outros, de acordo com o uso que delas fazemos. Isto é, independentemente do perfil, se as utilizo para alimentar o meu Ego e projetar a minha vaidade, terei como tendência considerar que os outros também assim o fazem.

Neste e noutros casos, entendo que a verdade deve ser mostrada, por muito chocante que seja. Só assim conseguimos consciencializar e levar as notícias a alguns, mais avessos à leitura ou que, por qualquer razão, não acederam à notícia.

Dos incêndios de outubro de 2017, no nosso país, muitos foram os meses em que o cheiro a animais carbonizados pairou no ar. Não existem testemunhos, mas tão-somente evidências: uma flora e fauna ainda hoje significativamente mais pobres. Naquela noite, por exemplo, em muitas regiões, não tivemos eletricidade nem bombeiros. Seguiram-se 3 meses sem telefone, internet, TV e/ou rede móvel. Talvez por essa razão, num projeto ambiental defendido pelos meus alunos, no Porto, apercebemo-nos que os "doutores" de Lisboa, professores catedráticos ou do Ministério da Educação, estavam totalmente alheios à calamidade que afetou a nossa zona. 

O que aconteceu na Amazónia, o que tem acontecido na Austrália, não deve ser esquecido. Além do apoio necessário que todos devemos prestar, algumas memórias devem estar presentes, por forma a melhor entender o amanhã e respeitarmos a nossa casa - o planeta Terra.

Comentários

  1. Boa tarde, Paulo!
    Eu li e tenho visto muita coisa sobre a catástrofe na Austrália. É arrepiante e, pelo menos eu, nem me consigo imaginar lá. Eu acho que morria de pânico, porque Eles estão em piores condições. Não entendo é porque é que não conseguem apagar dado que arde ou ardia à semanas. Não chegarão lá os meios aéreos do resto do Mundo???
    .
    Existem pessoas nas redes sociais que não raciocinam sobre o que lêem ou vêm e, é muito mais fácil criticar. Muitas nem escrever sabem, mas pronto. Muitas vezes, acredite, que julgam pela foto do perfil. Enfim, não ligue. A Ignorância é assim. Acho que ninguém ia fazer "piada" com uma catástrofe (a que todos estamos sujeitos)
    .
    Como tive um acidente com uma explosão de uma máquina, fiquei com pânico do fogo. Este ultimo verão vi-me atrapalhada e moro afastada dos pinhais, mas o vento leva tudo. Imagino o que vocês passaram , ou nem quero imaginar.
    .
    [ No meu poema, quando falo de reforma, novo ciclo de vida, foi o meu Marido que se reformou. Eu já não trabalho há quase 11 anos. entretanto em 15 dias de experiência ia morrendo queimada. Até hoje. Agora sou velha...também me dediquei a mãe(drasta) a tempo inteiro. Lol. tenho 56.]
    .
    Desejo que se encontre bem, tal como a sua Mãe!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Ainda levas a peito os comentários na internet? Passa à frente...
    Agora o teu trabalho é digno de apreciação, porque é preciso meter o dedo na ferida para que possas colocar muita gente a pensar na verdade! De caminho não existirá nada mais para arder...
    Grande abraço.

    ResponderEliminar
  3. Enfim as pessoas julgam os outros pelas suas próprias ações. Aliás se te lesse um pouquinho percebi que não te divertias nada com a situação.
    Bj
    MG

    https://cronicasdeumamaeatrapalhada2.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  4. Citando a minha tia Belmira, uma sábia, ninguém pode dizer que está a salvo de um coice de uma qualquer besta.
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderEliminar
  5. De facto não é nada bom lembrar estes acontecimentos.... mas ignorar ou fingir que tal flagelo não está a acontecer também em nada nos ajuda.... Como sempre se disse: ignorar a História e esquecer o passado é o pior que a humanidade poderá fazer... é preciso lembrar e aprender com os erros!

    ResponderEliminar
  6. "Muitas nem escrever sabem..."
    Boa tarde, Cidália.
    De facto, a escrita parece ser um dos entraves do "comentador": pontuação, construção frásica, concordância... Um homem bonito que não deve passar das aparências.
    Detesto estas situações. Magoam-me.
    Beijo grande.

    ResponderEliminar
  7. Acredita que estou mesmo magoado.
    Eu, a partilhar fotografias que põem em causa a minha sensibilidade, na esperança de mudar consciências (sim, ainda há quem esteja aquém que por lá se passa)...A falta e abertura para se colocar no meu lugar, afinal trabalho com estas temáticas numa das minhas disciplinas...
    Pelo menos, e como tudo deve permitir-nos a aprender, tive maior noção dos egos inflamados. Pelo perfil, que depois visitei, pensava tratar-se de um médico, enfermeiro,... Aparências. A própria escrita, pior do que a de muitos alunos do 3. ano, devia permitir-lhe refletir antes de atacar, mas "Eu sou bom, sou muito bom e ninguém é melhor do que eu". O espírito de tantos nas redes sociais.
    Abraço e obrigado por estares aí.

    ResponderEliminar
  8. Saberá ler e interpretar?
    Repara na escrita.
    Detesto este tipo de gajos(as).
    Se até tenho de ter cuidado ao ver o NAT Geo Wild, pois fico sem conseguir dormir perante imagem de predação.
    Beijo grande.

    ResponderEliminar
  9. Desconhecia 😊
    Infelizmente, grande verdade.
    Grande abraço.

    ResponderEliminar
  10. Concordo totalmente contigo.
    Tal como referi, dos incêndios de outubro, não temos evidências. Entretanto, por exemplo, ainda ontem, pela janela do escritório, vi alguns eucaliptos jovens a reerguerem-se. Um deles, num local onde insisti tanto, de mangueira na mão, como se fosse bombeiro, tendo o cuidado para que os gatos não se aproximassem. Naquela noite, os animais corriam pelas ruas, sem orientação. Vivências, memórias e a consciência da importância de aprender com os erros.
    Beijos

    ResponderEliminar
  11. Tenho visto/lido algum esterismo das pessoas, que se acham mais produtivas a atacar outras do que a fazerem alguma coisa pela causa!! Enfim... ignora e vai em frente!

    ResponderEliminar
  12. Hoje, acabei por entender exatamente o que dizes.
    Obrigado pelas palavras.
    Abraço.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Este blogue é feito de histórias reais, que se misturam com emoções e valores, entre alguma ficção. Também de pessoas com opinião, sentimento e uma mão que se estende.

Não deixe de comentar!


Um abraço do
P. P.

Mensagens populares deste blogue

O Professor está a dar cabo de mim

Pelo que ao ler, não deixe de abrir as hiperligações.

Ao longo dos anos, a vida de professor tem-se revelado “stressante”, associada a percursos deambulantes, com propósitos dúbios. Assim induz um Ministério insensível, intolerante, inerte, incapaz e desatento à saúde dos seus atores. Os dias de tranquilidade parecem não se avistar, tal é Esta Vida de Marinheiro. Por vezes, por forma a avaliar o nosso humor, já que os deuses devem estar loucos, há Azar na Praia.
A vigilância de exames é uma das minhas aventuras intermináveis. O mutismo forçado e a postura “hirta”, sem nada de estimulante, qual Amocha Maria. A ansiedade instala-se, pois ver alunos em sofrimento, sem nada poder fazer não me é fácil. Dias em que. Não tem Talo o Grelo.
Naquela manhã, o calor fazia-se sentir, adivinhando-se não encontrar quem dissesse: “Eu Descasco-lhe a Banana”. Após o duche, decidi vestir uns calções confortáveis, aparentemente adequados, apesar de ter emagrecido. Ao sair de casa, já atrasado, eis que a min…

Amor Marginal

O Afastamento dos Professores do Ensino