Com a reforma do Pai Natal


Desafio de Escrita dos Pássaros #15



O Pai Natal há muito solicitou a reforma. Demência e artrites várias não foram razões suficientes para que o Governo português agilizasse o processo com a rapidez necessária. Afinal, ele não se dedicou à política, nem manteve conhecimentos em certa orla social. O deferimento foi conseguido já no mês de dezembro, o que desesperou Rodolfo, incumbido de recrutar um novo sujeito para o cargo, independentemente da nacionalidade

Não foi difícil divulgar a vaga de emprego. Os candidatos logo surgiram, em grande número, para tão curto espaço de tempo, entre pessoas repletas de energia, esteroides e algum botox. Na fila de espera, as conversas divergiam entre aqueles que temiam tornar-se “porcas”, com a chegada da época natalícia, sem acesso ao ginásio e os que receavam a ausência da “internet” móvel, por forma a divulgar as fotografias das funções, nos diferentes lugares. Isto, sem esquecer a falta de tempo para as “nudes”, testar e divulgar mil e um produtos de cosmética, sem quaisquer conhecimentos.
De repente, sem qualquer alerta vermelho prévio, a depressão Elsa instalou-se.



Perante ventos e chuvas fortes, a maioria dos candidatos buscou auxílio nos pais, alguns deles sem poder vislumbrar o merecido descanso, já que o mimo excessivo, outrora dado, tornou-os escravos das suas crias. Não obstante, a idade e a fase adulta, molhar as roupas ou as botas, não poder exibir os modelos e o corpo, combinados com a traje, levou à desistência de outros. Alguns deles, apesar das adversidades do clima, aproveitaram para tirar algumas fotos no rio Mondego, fazendo referência, nas redes sociais a Veneza.

Para dificultar ainda mais a árdua tarefa de Rodolfo, perante candidatos tão inusitados, cuja palavra “vergonha”, proferida na Assembleia da República, ecoava na sua cabeça, um apagão fez-se sentir. O vento embalou muitas famílias, de velas acesas, durante o jantar. Em muitos pontos do país, o espírito de natal disseminou-se, considerando outros tempos, com as famílias a conversar, algumas com o som do rádio, enquanto saboreavam os alimentos e a presença dos seus elementos. Neste ano não houve Pai-Natal. Perante as adversidades, o estado da calamidade e a ausência de tempo, Rodolfo  reabrirá as candidaturas no próximo ano. Entretanto, há que consciencializar a população para esta quadra, uma vez que têm vindo a aumentar os sem-abrigo, a fome, a futilidade e a falta de respeito pela natureza.


Comentários

  1. Quero desejar um grande e feliz ano de 2020.

    Kique

    Hoje em Caminhos Percorridos - Junta-te à Petição

    ResponderEliminar
  2. Um texto que "traduziu" com classe o mês de Dezembro. Pessoas indiferentes ao que aconteceu. Consumismo. Falta de respeito pelos outros e pela Natureza.
    Um texto que li em voz alta para a minha criança!
    Tudo de bom para si e sua Mami. :)
    -
    Passando para vos agradecer todas as visitas na minha ausência, e pelo vosso carinho... Continuação de um feliz Ano de 2020. Com todas as festas fiquei/ficámos gripados
    -
    Ano novo, novo ciclo de vida.
    Beijo. Boa noite!

    ResponderEliminar
  3. Um 2020 em grande.
    https://media2.giphy.com/media/XyVTS9MZqJOKxqyJtM/giphy.gif

    ResponderEliminar
  4. De facto, um mês que já não é o que era e que se tem agravado.
    As assimetrias são cada vez maiores e assustadoras. Ainda nesta quinta-feira, ao folhear os catálogos de duas superfícies comerciais fiquei assustado com os preços dos bens essenciais. Se no interior é difícil, imagino na grande cidade. Ninguém diz nem faz nada. As silhuetas continuam a pavonear-se, com máscaras mil, enquanto outros privilegiam as selfies e o sensacionalismo. É triste...

    Boa tarde de domingo.
    Abraço.

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Este blogue é feito de histórias reais, emoções, prazeres, opiniões e alguma ficção. Também de pessoas que interagem e de uma mão que se estende, mesmo que cheia de nadas.

Não deixe de comentar!
Um abraço.
Paulo.