Avançar para o conteúdo principal

As duas primeiras temporadas de POSE

Em Portugal, até ao momento, as duas primeiras temporadas da série POSE, do canal FX, estão disponíveis na HBO. Na Netflix podemos encontrar a primeira.
Esta é uma série dramática, que nos permite aprender, ao contactar com uma realidade de variáveis longânimes. O elenco é predominantemente transexual, afro e latino-americano. Por vezes, pensamos ver Fame ou algumas das cenas do filme Filadélfia. Como pontos fortes, o elenco, a direção de atores, a banda sonora, o argumento, os figurinos e a luz. POSE consegue ser doce e divertida, enquanto ácida e cruel.
A 1.ª temporada decorre em 1987/88. Muitos jovens homossexuais ou transexuais, após serem postos fora de casa, pelos pais, são acolhidos, do mundo da criminalidade, drogas ou pobreza extremas, por algumas mães transexuais; neste caso homens que se sentem mulheres, com um profundo instinto maternal. Assim se formam as casas representativas das noites de baile, competindo entre si, com glamour, moda e passos de dança inovadores. O f…

Professores sem direito a mobilidade por doença

Inês Rocha é a jornalista responsável pelo exclusivo da Renascença de hoje. O artigoLapsos nas candidaturas deixam professores sem direito à mobilidade por doença, cuja leitura recomendo, têm como suporte, testemunhos reais. 

“Tweet”  pessoal da jornalista


Nunca ambicionei recorrer ao concurso de Mobilidade por Doença (MPD), consagrado no Despacho n.º 9004-A/2016. Também não gosto de fazer parte deste grupo de professores, dada a forma como somos "acolhidos" por algumas Direções, que não atendem às especificidades de cada caso. Os motivos maiores, os meus, prendem-se com as perdas irreversíveis, as doenças graves, o acompanhamento e apoio, os lutos, e a resiliência que nos é exigida quando o Universo parece conspirar contra nós. A linha entre cuidador e doente parece-me ténue, confundindo-se, em certos momentos.

Infelizmente, não sou perfeito. Frequentemente erro ou sou impaciente com a minha mãe, a única familiar que me resta. Dos seus problemas de saúde, muitos não estão devidamente diagnosticados, uma vez que não a consigo convencer a recorrer a médicos da especialidade. Isto, sem esquecer o peso da reforma baixa. Repartimos todas as despesas, mas a crise refutada por alguns faz-se sentir. 

Neste ano, quando me candidatei à MPD, a minha avó tinha partido há poucos meses. Na Escola, o trabalho com um projeto para a Missão UP da GALP, no qual conseguimos um dos 5 primeiros lugares, a nível nacional, requeria dedicação, dentro e fora da sala de aula, com muitas horas extraordinárias, algumas delas com tarefas fora da minha área de conforto. Ao submeter toda a documentação atinente ao concurso, não reparei no lapso numa cruz, do relatório médico. De referir que a linguagem utilizada no boletim de candidatura não é acessível a todos, sobretudo a muitos dos órgãos que certificam a necessidade deste destacamento. No entanto, as palavras escritas pela médica e o certificado da Junta de Freguesia certificam, para quem esteja alheio ao processo, tratar-se de um erro humano. Quando está escrito que a doente é portadora de incapacidade, viúva e requer do apoio do filho (único), facilmente se depreende que este necessita de destacamento, dado estar colocado a 50 km de casa, numa vila com acessos nem sempre bons.

Após o pedido de reapreciação, uma das respostas iniciais refere indeferimento do mesmo, por não se tratar de um "erro administrativo". Passado um mês, outro correio eletrónico, no qual é citado que "o seu caso encontra-se em análise". De referir que "as respostas" díspares provêm de gabinetes diferentes do ME. 

Talvez não saibam, mas no interior do país, a deslocação a um supermercado, consulta médica ou farmácia que diste 3,5 km,  ou menos, implica o recurso ao serviço de táxis, com preços que não se coadunam com muitas das reformas em vigor. Com o passar da idade, a mobilidade, a lucidez e a saúde geral entram em declínio. Por outro lado, a população do interior do país está muito envelhecida e aldeias, outrora muito povoadas, mais parecem desertos. 

Tiago Brandão, atual Ministro da Educação, raramente "dá a cara" pelo Ministério que é da sua tutela. Aliás, a sua reeleição foi incompreendida por muitos. Atendendo ao referido no artigo, questiono os exemplos de cidadania, equidade, democracia, justiça e fraternidade dados por este Ministério aos seus atores. 
Não, este não é o caminho para que os portugueses possam acreditar nos seus políticos e concomitantes políticas. 


Comentários

  1. Olá!
    Continuo a dizer, que isto, da educação está a chegar ao limite da mediocridade! O ME não dá a cara, claro que não. Não percebem nada de nada. Apenas só olhem e é a correr para os que estão por perto!

    A Educação no geral está caos! Falta professores por estes estarem esgotados derivado a sub-carga entre escola e kilometros. etc... Os alunos que são MUITO mal educados em casa e na escola são piores. Os mimados que não se pode falar mais alto... Depois temos os Pais a agredir os professores.

    Espero que, quem de direito, mude as regras da educação nas escolas, se não, daqui a 10 anos há alunos e não há professores! Ainda hoje ouvi nas noticias que uma mãe de uma aluna(o) que invadiu a escola para agredir a Professora, que se encontrava com uma gravidez de risco, e, entanto Esta a fazer a vez de uma Outra. Fiquei super mega hiper revoltada. Mas que jovens se andam a formar para o futuro? Tanta delinquência! :(
    Ontem observei um filho de 12 anos a chamar cabão ao Pai, que nem lhe respondeu. Deu-me impressão que até tem medo dele. É um miúdo que desestabiliza a sala de aula, constantemente!

    E é isto...até tudo num caos.
    Desejo-lhe muita sorte e saúde para a sua Mãe!

    -
    Olho as montanhas, sem cor
    Beijo e um excelente dia!

    ResponderEliminar
  2. Obrigado, Cidália.
    A situação que descreve é muito frequente. Não duvido que o pai tenha medo do filho. Situações destas já eram observáveis em 2003, quando estive na educação especial. Com o passar dos tempos, aumentaram, face à não imposição de regras.

    Por aqui, ontem fui convocado a apresentar-me na Junta Médica. Como demonstrar o quanto esta situação me destruiu, sentindo, por um lado, culpa por não me ter apercebido do erro e fazer entender que é agora que devo apoiar a minha mãe e não quando já não há nada a fazer? Logo tive uma crise de ansiedade. Na Junta Médica parecemos animais a caminho do matadouro -, e os meus pais trabalharam num, pelo que sei o que falo - dependendo da personalidade de quem nos recebe. É horrível. Da Escola, cujos acessos são péssimos, nem o horário enviam-me, para poder definir os trajetos a seguir, de acordo com as condições climatéricas ou tenha de ficar a dormir por lá. Sinto-me... Um zero. E sou efetivo!
    Abraço e uma noite tranquila.
    P.

    ResponderEliminar
  3. Voltei e reli tudo. Observei palavras fora de contexto das frases. Mas penso que me entendeu. Acontece. Desculpe.
    Amigo, cuidado com a ansiedade... Compreendo perfeitamente a sua revolta. Mas a saúde é tão importante e uma depressão não se cura em dois tempos.

    Muita força para a sua Mãe e, sobretudo para si!
    Beijinhos. Boa noite.

    ResponderEliminar
  4. Eu entendi tudo, não se preocupe!
    A ansiedade é um demónio sem cura.
    Obrigado pela força.
    Beijo grande. https://media1.giphy.com/media/26ufpdEHmmBqWarpS/giphy.gif

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Este blogue é feito de histórias reais, que se misturam com emoções e valores, entre alguma ficção. Também de pessoas com opinião, sentimento e uma mão que se estende.

Não deixe de comentar!


Um abraço do
P. P.

Mensagens populares deste blogue

O Afastamento dos Professores do Ensino

O Professor está a dar cabo de mim

Pelo que ao ler, não deixe de abrir as hiperligações.

Ao longo dos anos, a vida de professor tem-se revelado “stressante”, associada a percursos deambulantes, com propósitos dúbios. Assim induz um Ministério insensível, intolerante, inerte, incapaz e desatento à saúde dos seus atores. Os dias de tranquilidade parecem não se avistar, tal é Esta Vida de Marinheiro. Por vezes, por forma a avaliar o nosso humor, já que os deuses devem estar loucos, há Azar na Praia.
A vigilância de exames é uma das minhas aventuras intermináveis. O mutismo forçado e a postura “hirta”, sem nada de estimulante, qual Amocha Maria. A ansiedade instala-se, pois ver alunos em sofrimento, sem nada poder fazer não me é fácil. Dias em que. Não tem Talo o Grelo.
Naquela manhã, o calor fazia-se sentir, adivinhando-se não encontrar quem dissesse: “Eu Descasco-lhe a Banana”. Após o duche, decidi vestir uns calções confortáveis, aparentemente adequados, apesar de ter emagrecido. Ao sair de casa, já atrasado, eis que a min…

Amor Marginal