As barbearias da atualidade


Nos nossos dias, a visita semanal a mensal à nossa barbearia preferida tornou-se trivial. Se por um lado, a maioria dos homens já não apresenta complexos em ser atendido por uma senhora ou frequentar um salão unissexo, a moda da barba e concomitantes cuidados associados trouxeram novas oportunidades aos barbeiros. Estes, atualizaram-se ou aprenderam o ofício, esmerando-se na atenção e ambiente onde nos acolhem. A exigência do homem moderno tem em conta especificidades que avaliam o espaço e as capacidades do barbeiro. Neste contexto, surge o conceito de Barber Shop .
Na passada sexta-feira, ao dirigir-me ao meu preferido, fiquei fascinado com os pormenores de uma  nova cadeira de barbeiro, utilizada para cuidar de nós. Quanto conforto! Como se não bastasse, personalizada.




O material de barbeiro utilizado é cada vez mais diversificado, por forma a satisfazer as diferentes necessidades do homem moderno. Ao contrário do século passado, já não se dissemina uma fórmula comum para todos. Por exemplo, logo fiquei a saber não estar a utilizar o pente adequado e conheci escovas para a barba para mim, até então, inauditas. Dada a amizade que nos une, há anos, o Sr. João deu-me a conhecer a Presença de Luxo, com produtos para o público-geral e profissionais.

Comentários

  1. Infelizmente aqui em Macau, sobretudo a cuidados com a barba, são muito fraquinhos.

    ResponderEliminar
  2. O meu pai foi cabeleireiro de senhoras por anos e depois abriu uma barebearia antes de deixar de todo a profissão. "Cresci" num salão de cabeleireiro, em Braga. Tudo era diferente, então! Foi uma evolução enorme. E, claro, também no caso dos homens se verificou, ainda que muito mais lentamente, e, sobretudo, por cá, já que no estrangeiro iam sempre mais à frente!

    ResponderEliminar
  3. Ainda bem que as Barbearias se modernizaram, pois só assim conseguem sobreviver, dado à concorreria unissexo. As cadeiras são confortáveis, mas caras ! :) Dou um jeito a cortar cabelo, mas nunca aprendi em lado nenhum, :)
    .
    Sou do tempo - em pequenita - que me levavam cortar o cabelo ao barbeiro dos homens, porque os salões de cabeleireiro eram raros e caros. Haviam umas cadeiras muito altas em madeira para as crianças...era assim! :)

    -
    --> Nas brumas do tempo ...
    Beijo e uma boa noite!

    ResponderEliminar
  4. Normalmente, algumas vocações são inatas.
    O meu pai conseguia pentear muito bem. Já eu sou como a minha mãe: um desastre!
    Recordo sentarem-me numa tábua nas cadeiras, já mais ou menos atuais.
    Beijo grande. https://media0.giphy.com/media/xWZpqVpg0oLyKlTM8X/giphy.gif

    ResponderEliminar
  5. Os habitantes, regra geral, não usam muita barba nem têm, no caso dos macaenses, muitos pelos faciais, não é?

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Este blogue é feito de histórias reais, emoções, prazeres, opiniões e alguma ficção. Também de pessoas que interagem e de uma mão que se estende, mesmo que cheia de nadas.

Não deixe de comentar!
Um abraço.
Paulo.