Avançar para o conteúdo principal

R.E.M. - Everybody Hurts

Quantas lágrimas,
Quantas recordações...

Do séquito das emoções, as memórias...
Todos nos magoamos, mas a dor maior pode estar tão perto de nós, camuflada por sinais no dialeto de um abismo.

The Deuce - o nascimento do mundo da pornografia

https://www.amazon.com/The-Deuce-Season-1/dp/B077QPR4V3
The Deuce - Fonte da imagem aqui


The Deuce é uma série da HBO, em três temporadas, escrita por David Simon, que acompanha o nascimento e crescimento da indústria pornográfica, desde os anos 70 aos 80. O nome da série assenta numa alcunha para a 42nd Sreet, a rua que é o foco da história. As personagens são diversificadas, conferindo realismo: chulos(as), prostitutas(os), drogados, polícias, mafiosos, membros da comunidade LGBTI+, empregados de bar estudantes, famílias triviais e disfuncionais, feministas, etc. 

A primeira temporada da história começa em 1971, numa altura em que o negócio da prostituição ainda ocupava Times Square e a violência ligada a tráfico de droga era um problema dramático em Nova Iorque. As pequenas e grandes situações que possibilitaram a criação da indústria pornográfica como a conhecemos são explicadas, algumas vezes de forma explícita, embora contextualizada. 

No que diz respeito à 2.ª temporada, aquela que menos gostei, a ação decorre em 1977, com a popularização do negócio, que começa a render, e a rápida adaptação de algumas prostitutas, que migram para os filmes pornográficos. Também alguns homens, homossexuais, na procura de novas oportunidades (não me sinto no direito de julgar, generalizando), começam a desempenhar papeis de heterossexuais, na indústria do sexo, o que trouxe algumas complicações, plasmadas na terceira temporada. Esta decorre em 1984/85, com a vulgarização das cassetes VHS presentes em muitos lares e aquele que foi inicialmente considerado o cancro do século: a SIDA. Por vezes, senti-me no dia em que vi, pela primeira vez, Filadélfia, contendo algumas lágrimas, tal é o realismo e competência de toda a equipa, num retrato fiel a esta síndrome, às consequências das toxicodependências e ao lado descartável que a sociedade confere aos seus atores. 


Para quem gosta de música, segue-se a banda sonora de todas as temporadas, marcada por alguns êxitos intemporais. 




Comentários

Mensagens populares deste blogue

O Professor está a dar cabo de mim

Pelo que ao ler, não deixe de abrir as hiperligações.

Ao longo dos anos, a vida de professor tem-se revelado “stressante”, associada a percursos deambulantes, com propósitos dúbios. Assim induz um Ministério insensível, intolerante, inerte, incapaz e desatento à saúde dos seus atores. Os dias de tranquilidade parecem não se avistar, tal é Esta Vida de Marinheiro. Por vezes, por forma a avaliar o nosso humor, já que os deuses devem estar loucos, há Azar na Praia.
A vigilância de exames é uma das minhas aventuras intermináveis. O mutismo forçado e a postura “hirta”, sem nada de estimulante, qual Amocha Maria. A ansiedade instala-se, pois ver alunos em sofrimento, sem nada poder fazer não me é fácil. Dias em que. Não tem Talo o Grelo.
Naquela manhã, o calor fazia-se sentir, adivinhando-se não encontrar quem dissesse: “Eu Descasco-lhe a Banana”. Após o duche, decidi vestir uns calções confortáveis, aparentemente adequados, apesar de ter emagrecido. Ao sair de casa, já atrasado, eis que a min…

Amor Marginal