Avançar para o conteúdo principal

O Exorcista I – o novo final

Desafio de Escrita dos Pássaros #13
Leitura não recomendada a menores de 16 anos ou pessoas sensíveis








Das trevas que norteiam o seu interior, no baloiçar dos espíritos diabólicos que torneiam a libido da jovem adolescente, Regan não esconde o olhar sedento pelo corpo daquele Padre que ousa exorcizar pedaços de si. Ele, dotado de símbolos e ritos religiosos dificilmente esconde a ereção que faz de si homem mundano e pecador. Padre, um estatuto para diferentes papeis. Nele, a cada instante, o desejo incontrolável.
Nesta história, o Padre Dyer não será assassinado pelos espíritos que invadem Regan, naquelas escadas sombrias e desertas. Desta vez, prevalece a força do pecado e do desejo.
Num acesso de raiva planeado, a jovem rasga a batina do homem, libertando-o de todos os símbolos religiosos. Com olhar piedoso, agarra o falo de Dyer, acaricia-o e leva-o à boca. Confuso, visitado por episódios ocorridos no colégio de padres, entre rapazes, futuros sacerdotes, o orgasmo faz-se sentir de f…

Aqueles pássaros não se calam

Desafio de Escrita dos Pássaros #12

Imagem de Łukasz Dyłka por Pixabay



Atualmente, não obstante, a facilidade na procura de factos e conhecimentos, a “verdade” parece despojada de ética e princípios basilares. Nem todas as verdades são absolutas, mas algumas deambulam ao sabor de interesses que perigam a evolução do Homem e da sociedade.


Muitos pássaros não se calam, enquanto entram nas nossas casas, na forma de vozes ou escritos. São hediondos ou verosímeis. Pretendem moldar a nossa forma de pensar e estar. Ao sabor de interesses económicos ou políticos relatam constatações, as suas, as quais requerem, da nossa parte, reflexão crítica. Simultaneamente, algumas redes sociais disseminam outras sementes capazes de nos remeter ao caos. Urge indagar, antes de beber o néctar que nos é oferecido por muitos dos pássaros que não se calam. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O Afastamento dos Professores do Ensino

Amor Marginal

O Professor está a dar cabo de mim

Pelo que ao ler, não deixe de abrir as hiperligações.

Ao longo dos anos, a vida de professor tem-se revelado “stressante”, associada a percursos deambulantes, com propósitos dúbios. Assim induz um Ministério insensível, intolerante, inerte, incapaz e desatento à saúde dos seus atores. Os dias de tranquilidade parecem não se avistar, tal é Esta Vida de Marinheiro. Por vezes, por forma a avaliar o nosso humor, já que os deuses devem estar loucos, há Azar na Praia.
A vigilância de exames é uma das minhas aventuras intermináveis. O mutismo forçado e a postura “hirta”, sem nada de estimulante, qual Amocha Maria. A ansiedade instala-se, pois ver alunos em sofrimento, sem nada poder fazer não me é fácil. Dias em que. Não tem Talo o Grelo.
Naquela manhã, o calor fazia-se sentir, adivinhando-se não encontrar quem dissesse: “Eu Descasco-lhe a Banana”. Após o duche, decidi vestir uns calções confortáveis, aparentemente adequados, apesar de ter emagrecido. Ao sair de casa, já atrasado, eis que a min…