Avançar para o conteúdo principal

O filme: Corre Rapaz Corre

Run Boy Run
Corre Rapaz Corre (Alemanha, Polónia e França, 2013) é um filme dramático, entre alusivo aos tempos da segunda grande guerra mundial, baseado em factos reais. Encontra-se disponível, gratuitamente, no catálogo da Rakuten TV.
Esta é uma obra repleta de sentimento, sensibilidade, beleza e valores, que nos permite acompanhar um pequeno órfão que, com a ajuda do pai, conseguiu fugir dos campos de concentração. Na sua senda, perdido na floresta ou a mendigar de porta em porta, oferecendo-se para trabalhar em quintas, o ódio dos seguidores da doutrina de Hitler. A circuncisão era suficiente para comprovar a origem judaica. 
Um filme perante o qual não ficamos indiferentes, com a mestria, o poder e os ensinamentos de O Menino do Pijama às Riscas e A Vida é Bela
Alguns dos momentos mais marcantes desta obra consistem no abate indiscriminado do cão de companhia do menino que um dia o salvou da morte, por soldados; a solidão; a perda de uma mão e parte do braço, durante trabalhos de…

A gata que ganhou asas

Desafio de Escrita dos Pássaros #11

A racionalidade é frequentemente posta em causa pelos humanos, em diferentes contextos, numa sintonia de verborreias.
O insulto é a comiseração das fraquezas. Os atos perigam a insanidade, uma vez que estes designam a grandeza e a diferença.

 
A gata Linda


Linda pressentiu a dissemelhança daquele dia, pelo que se posicionou no sofá de frente para a cama da dona. O último mês decorreu de forma inusitada, uma vez que ela recusava a comida, já não gritava nem reagia às brincadeiras do neto, e a filha tinha grande dificuldade em desempenhar as tarefas como cuidadora informal.

A certa altura, Linda abriu os olhos e fixou-os na dona deitada no colo da filha, com o neto a tentar detetar eventuais batimentos cardíacos. Prantos de dor fizeram-se sentir, num seio dolente, ofuscados pela intensidade. Num gesto de dignidade, alheia a muitos, a gata, de vinte e três anos, manteve-se durante dois dias naquele sofá, ausentando-se somente por questões fisiológicas prioritárias.

Passado este tempo, começou a dormir na cama dos descendentes da dona, vagueando, à noite, entre quartos. Não admitia ficar sozinha em casa. Um dos seus maiores prazeres consistia em estar com a família, na mesma divisão da casa, se possível a ver alguma série. Apesar da idade, Linda era ativa e de tudo tentou para atenuar o mutismo dos lutos circundantes

O tempo é volátil. Por vezes, atroz e a vida nem sempre é justa.

Inesperadamente, Linda começou a regredir, um pouco à semelhança do que aconteceu, de início, com a sua dona. Certo dia, ganhou asas e voou para uma dimensão próxima da nossa, por forma a manter-se atenta a todos os que ama.


Comentários

  1. Os animais vivem e sofrem os seus donos.
    Incrível!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Recordo teres contado a história da gata...
    :**

    ResponderEliminar
  3. É verdade.
    A data do texto remete-me para quando a minha avó piorou e... os 5 anos da morte do pai.
    Não foi muito fácil de escrever, confesso.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Este blogue é feito de histórias reais, que se misturam com emoções e valores, entre alguma ficção. Também de pessoas com opinião, sentimento e uma mão que se estende.

Não deixe de comentar!


Um abraço do
P. P.

Mensagens populares deste blogue

O Professor está a dar cabo de mim

Pelo que ao ler, não deixe de abrir as hiperligações.

Ao longo dos anos, a vida de professor tem-se revelado “stressante”, associada a percursos deambulantes, com propósitos dúbios. Assim induz um Ministério insensível, intolerante, inerte, incapaz e desatento à saúde dos seus atores. Os dias de tranquilidade parecem não se avistar, tal é Esta Vida de Marinheiro. Por vezes, por forma a avaliar o nosso humor, já que os deuses devem estar loucos, há Azar na Praia.
A vigilância de exames é uma das minhas aventuras intermináveis. O mutismo forçado e a postura “hirta”, sem nada de estimulante, qual Amocha Maria. A ansiedade instala-se, pois ver alunos em sofrimento, sem nada poder fazer não me é fácil. Dias em que. Não tem Talo o Grelo.
Naquela manhã, o calor fazia-se sentir, adivinhando-se não encontrar quem dissesse: “Eu Descasco-lhe a Banana”. Após o duche, decidi vestir uns calções confortáveis, aparentemente adequados, apesar de ter emagrecido. Ao sair de casa, já atrasado, eis que a min…

Amor Marginal

O Afastamento dos Professores do Ensino