Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Novembro, 2019

Sabores

Sabores

Naquela manhã

Quando a solidão percorreu o vazio que há em mim...

Hábitos diários a adquirir ou manter

Quais são as suas propostas para melhorar a listagem?

Quando um desenho diz Mais

Crianças maiores de 10 anos obrigadas a passar por Junta Médica no apoio para óculos

Foto de James Wheeler no Pexels
Vários são os problemas de visão que interferem nas nossas atividades quotidianas, aprendizagens e atos. Algumas problemáticas requerem uma mudança das lentes para óculos mais amiúde. 
Aqueles que trabalhamos no ramo educacional sabemos o quanto é difícil criar o hábito, nas crianças, de pôr os óculos, durante as aulas, na Escola. Também somos conhecedores das implicações negativas para as aprendizagens e saúde dos discentes quando estes não os usam ou a graduação está desajustada. Perante este auxiliar desadequado ou que partiu durante o intervalo, muitas famílias têm dificuldades em repô-los por questões financeiras. Prioridades que não temos o direito de julgar, pois, ainda há fome nas nossas Escolas. O que dizer das condições de habitabilidade? 
Ao ler as notícias, deparei-me com a acidez feita chegar pelo Diário de Notícias, no artigo Apoio para Óculos. Crianças com mais de dez anos obrigadas a passar por Junta Médica, com base no sítio da Seguranç…

Acordei nu, naquela ilha

Desafio de Escrita dos Pássaros #9
Foto de Sharon McCutcheon no Pexels

Nu, sem pudores, finalmente em sintonia com o meu Eu.
Durante anos, chamei-me Irina. Nasci com o sexo errado, num cérebro aparentemente normal. Desde cedo, senti atração por outras mulheres.  Apesar de, na escrita, estar a utilizar o género feminino, por forma a não confundir o leitor, nunca fui “ela”. Nunca aceitei ser tomada por lésbica. Sempre me senti homem e os gostos/tendências obedeceram ao género, quando as assimetrias ainda eram evidentes.
Neste meio século de vida, nunca fui amada. A minha família, católica praticante, jamais me aceitou. Na verdade, nem tentei. Sempre estive atenta aos comentários tecidos pela minha mãe e outros familiares em diferentes contextos. Segui o ramo de investigação, mas só consegui trabalho no ensino. Os primeiros vencimentos permitiram começar a entender-me, em diferentes especialidades, nos HUC. 
Entretanto, uma vida repleta de máscaras e de um sofrimento que poucos entendem.  …

Ansiedade

Abba - The Last Video

Antena Aberta - Os chumbos e a Indisciplina nas nossas Escolas

Antena Aberta Os chumbos e a indisciplina dentro das escolas.  Diariamente na Antena 1, a opinião dos ouvintes. Um tema por cada dia, atual e relevante, analisado por especialistas e comentado pelos ouvintes da Rádio pública. De 2ª a 6ª feira, 11h00. Edição de António Jorge.
Para ouvir o fórum, clique na hiperligação inicial. Como é hábito, o nosso ministro da educação não dá a cara (neste caso a voz). A voz da tutela fez-se ouvir...

Alguns pais olham para os filhos e vêem um porquinho-mealheiro

Fonte aqui

Direto a Si, dr. António Costa por Santana Castilho

Na sua crónica semanal no Público, datada de 30/10/19, Santa Castilho, com a sensatez que lhe é característica, apontou o dedo a muitas das feridas no sistema educativo português, num só sentido.

Na Educação, o ambiente é de profundo mal-estar e o programa do novo Governo não conseguiu atribuir-lhe qualquer réstia de esperança. Outrossim, acentua a onda de “planos”, “projectos” e “estratégias”, para picar os miolos aos professores. Antes de Maria de Lurdes Rodrigues, todos sabiam exactamente o que fazer. Os chefes eram menos e as escolas funcionavam. Depois cresceram os chefes. E consigo, dr. António Costa, cresceu a desorientação e o deslumbramento com as pedagogias sem sentido. E cresceram as siglas “eruditas” para denominar inúteis organismos, projectos, plataformas e planos. Veja estas, dr. António Costa (e não são todas), criadas pelas suas luminárias da modernidade: ACES, ACCRO, AERBP, AIRO, CAA, CAF, CD, CEB, CP, CPCJ, CRI, CT, DAC, DEE, DT, EE, EECE, EFA, ELT, EMAI, EO, ESAD, …

Escolas Sob Pressão

Ontem, ao ver o Prós e Contras,  da RTP1, cuja hiperligação do programa na RTP Play partilho com o leitor, senti reiteradas algumas das minhas ideias anteriormente escritas aqui.
Um programa sem variáveis definidas, com traços de egos inflamados, poucas verdades e experiências pouco diversificadas, por parte dos intervenientes.  Aparentemente, pelo que concluí, a violência nas escolas é uma utopia. Os programas desajustados dos níveis etários dos alunos nem mereceram destaque. Em suma, um programa que procurou alimentar A Máquina. Entretanto, continue-se a bajular muitos dos diretores capazes de dizimar os órgãos dos colegas e a abnegar a realidade.
O meu louvor ao colega, antigo diretor de uma escola TEIP, que sem vergonha relatou situações de violência por si vividas e que muitos dos colegas, naquele cargo, fingem não ver nem ouvir.
Não sou a favor de certificados de mérito e excelência pelo que tenho dificuldade em entender o que se entende por "professor do ano". 
Um pa…

Beto & Rita Guerra - Brincando com o Fogo

The Elephant Queen na Apple +

The Elephant Queen (2019) from BMG Production Music UK on Vimeo.
Song of the River by Tim Oliver – ALT136 – Primal Voice and Drums
https://app.bmgproductionmusic.co.uk/track/6244744


Relativamente à Apple+, a minha curiosidade prende-se, para já, com o documentário A Rainha Elefante. Quantas lições de vida, por aqueles que tantas vezes consideramos irracionais, também eles a viver em comunidades. 
Como é sabido, o clima, as alterações no planeta e as interações sociais condicionam vidas. A sustentabilidade de muitos ecossistemas está em risco. Neste documentário, a progenitora, avó, líder é-nos apresentada como tantas outras mulheres (e homens) deste mundo. A luta pela sobrevivência, muitas vezes além das relações predatórias.

Da Netflix à Apple+ : um novo paradigma?

Entre nós, há uma nova plataforma de streaming: a Apple Tv e respetiva APP.
Com uma mensalidade que ronda os €5, à semelhança da HBO Portugal, nesta, alguns filmes e programas podem ser alugados. Neste momento, ao aceder à Apple +, constato que Scooby-Doo The Movie (2002) pode ser comprado por €9,99.



O período experimental é de 7 dias. Embora ainda não detenha muitos pormenores, no atinente às diferenças entre a APP e Apple TV, os conteúdos transmitidos têm elevados padrões de som e imagem, o que nem sempre sucede na concorrente citada, ainda sem oferta em 4K. Já na Netflix, a qualidade de som e imagem difere nos planos propostos, com valores entre os €7,99 e €13,99. Por outro lado, na Prime Video, por uma mensalidade que ronda os €5, encontramos conteúdos em 4K e com HDR, num catálogo ainda pouco vasto. 
Em simultâneo, a TV "por Cabo", parece vir a desagradar-se com os anos. No nosso caso, os canais premium de cinema deixam muito a desejar quando comparados, por exemplo, c…

Sobrevivência nas Escolas

Artigo de opinião de Valter Hugo Mãe
Numa escola, quando me recebiam em grande festa, o alarido escondeu um gesto horrível que só eu vi.

Insensato está nomeado para os Sapos do Ano

Os Sapos do Ano são uma iniciativa levada a cabo pela Magda Pais e pelo David Marinho, cujos blogues estão alojados na Sapo, por forma a dar a conhecer blogues anónimos escritos em português, como pode ler aqui.
Neste ano, o Insensato ficou nomeado nas categorias Educação e Generalista. Atendendo ao número de blogues sobre Educação, em Portugal, sem qualquer ligação sindical, partidária e sem interesses pessoais, está será a categoria a concurso. 

A nomeação deixou-me muito surpreendido. Por um lado, surgiu de forma inesperada e a categoria pareceu-me desajustada. O início do Insensato, que guardo no WordPress seria, a meu ver, a de Opinião/Generalista. Aliás, foi aqui onde comecei a escrever acerca de séries, numa tentativa de lutar contra o burnout e recomeçar, após tantas perdas. Ao analisá-lo em pormenor, constatei que, mesmo nas publicações referentes à análise de séries, a educação está presente. O blogue tem seguido esta vertente, pondo a nu muito do que se passa nas nossas E…

Um Email à Minha Infância

De repente, em lágrimas, apontei a faca em direção ao meu ventre. Simultaneamente, as lágrimas lavavam sofregamente o meu rosto, até avistar uma folha de papel. Comecei a escrever. De todas aquelas linhas, a culpabilização pelas imperfeições, por não me sentir amado e pela solidão. 
Julguei nunca vir entender o conceito de família. O meu, era diferente dos restantes. Queria tão pouco.

Volvida uma década continuei a sonhar com uma casa humilde, com o amor à lareira e o espírito de união. De pouco me adiantava o que tinha. A sensação de rejeição por parte dos familiares ainda se tolera, mas quando um elemento está diariamente connosco, como agente supremo e ditador, as imagens tornam-se difusas.

Naquele dia tive coragem e gritei: “Não gostas de mim. Nunca gostaste de mim. Que culpa tenho por ser teu filho quando, no meu lugar, devia estar o teu afilhado? Ele parece feito à tua imagem, mas sou diferente e jamais conseguirei ser igual. Além de que não quero. Os nadas não fazem parte de mim,…