Avançar para o conteúdo principal

A aldeia morre

Imagem de Stefan Keller por Pixabay

Gradualmente, a aldeia morre.  As personagens de ontem, já não são as de hoje. Um manto consigo tem levado histórias, restando memórias que se confundem, no decorrer do tempo. Do imenso, instala-se a solidão. Aquela cujo abraço corrói.

Irmãos unidos

Ainda eu não era um zigoto, já os gatos faziam parte da família. Pelo menos, da materna.
Doces, irrequietos, curiosos, místicos, com as mais diferentes personalidades, todos eles pautam pela independência, companheirismo, dedicação e identidade. 
Os animais de estimação requerem cuidados e responsabilidade. Acarretam despesas, é certo. Todavia, sempre inferiores às alegrias e dinâmica familiar que lhes e implícita.



Os manos


Comentários

  1. Primeiro tenho que te dizer que achei a foto adorável e curioso, estou a pensar arranjar um para me fazer companhia.
    Dizem que nos limpam das más energias.

    Beijos P. P.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De facto, também já o ouvi e li.
      Adoro observar os comportamentos felinos, desde pequenos. "Biologia a 100%".
      Apesar de também ter cão, adotado, prefiro gatos, mas o importante, é conseguirmos abraçar um animal de estimação.
      Beijos, Manu.
      P.

      Eliminar
  2. Gosto muito! Gatos, mas também cães, gosto deles todos. Só quem os tem próximo de si consegue realmente apreciar a riqueza que trazem à nossa vida!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também tenho ambos, embora prefira gatos e pássaros. Isto porque, um dia, um cão decidiu tentar devorar o meu braço. Todavia, continuo a gostar da raça canina.
      A relação que estabelecemos com os nossos animais de estimação, e vice-versa, são muito interessantes.

      Continuação de uma boa sexta.
      P.

      Eliminar
  3. Linda esta fotografia.
    Tenho uma gata que é ciumenta, não pode ver ninguém aqui no seu espaço, que me dá grande serenidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 😁
      Bem, o meu Louro... Se o meu Louro fosse filho único não teria tantos atributos normalmente associados aos "filhos únicos". Fotografá-lo? Eu tento, mas naquela procura de atenção, o que fica registado é tudo exceto o gato.

      Eliminar

Enviar um comentário

Este blogue é feito de histórias reais, emoções, prazeres, opiniões e alguma ficção. Também de pessoas que interagem e de uma mão que se estende, mesmo que cheia de nadas.

Não deixe de comentar!
Um abraço.
Paulo.

Mensagens populares deste blogue

O Professor está a dar cabo de mim

Pelo que ao ler, não deixe de abrir as hiperligações.

Ao longo dos anos, a vida de professor tem-se revelado “stressante”, associada a percursos deambulantes, com propósitos dúbios. Assim induz um Ministério insensível, intolerante, inerte, incapaz e desatento à saúde dos seus atores. Os dias de tranquilidade parecem não se avistar, tal é Esta Vida de Marinheiro. Por vezes, por forma a avaliar o nosso humor, já que os deuses devem estar loucos, há Azar na Praia.
A vigilância de exames é uma das minhas aventuras intermináveis. O mutismo forçado e a postura “hirta”, sem nada de estimulante, qual Amocha Maria. A ansiedade instala-se, pois ver alunos em sofrimento, sem nada poder fazer não me é fácil. Dias em que. Não tem Talo o Grelo.
Naquela manhã, o calor fazia-se sentir, adivinhando-se não encontrar quem dissesse: “Eu Descasco-lhe a Banana”. Após o duche, decidi vestir uns calções confortáveis, aparentemente adequados, apesar de ter emagrecido. Ao sair de casa, já atrasado, eis que a min…

O Afastamento dos Professores do Ensino