Avançar para o conteúdo principal

As duas primeiras temporadas de POSE

Em Portugal, até ao momento, as duas primeiras temporadas da série POSE, do canal FX, estão disponíveis na HBO. Na Netflix podemos encontrar a primeira.
Esta é uma série dramática, que nos permite aprender, ao contactar com uma realidade de variáveis longânimes. O elenco é predominantemente transexual, afro e latino-americano. Por vezes, pensamos ver Fame ou algumas das cenas do filme Filadélfia. Como pontos fortes, o elenco, a direção de atores, a banda sonora, o argumento, os figurinos e a luz. POSE consegue ser doce e divertida, enquanto ácida e cruel.
A 1.ª temporada decorre em 1987/88. Muitos jovens homossexuais ou transexuais, após serem postos fora de casa, pelos pais, são acolhidos, do mundo da criminalidade, drogas ou pobreza extremas, por algumas mães transexuais; neste caso homens que se sentem mulheres, com um profundo instinto maternal. Assim se formam as casas representativas das noites de baile, competindo entre si, com glamour, moda e passos de dança inovadores. O f…

As Crianças do Reino Unido e os Aparelhos Digitais

De acordo com a OECD, muitas crianças inglesas têm acesso a dispositivos digitais, englobando as redes sociais e videojogos, antes de poderem falar ou caminhar. Inclusive, algumas, até mesmo antes de nascer. O estudo científico pode ser acedido aqui.

Fonte - [1]

Comentários

  1. Fiquei de boca aberta com as médias entre os 3 e os 7... E eu ainda tenho a consciência pesada do meu...


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E aqueles que ainda nem nasceram 😦
      As redes sociais, na sua generalidade, levam o homem a esquecer os limites ou a perder o bom senso.

      Eliminar
  2. As % são mesmo muito elevadas. O problema é mesmo o tempo excessivo que o ser humano passa grudado a ecrãs. reparei que em média 4h/ day dos jovens entre 12-15 y passam em frente á tv + tablet. parece-me exagerado porque é preciso estudar, namorar, passear, praticar desporto, etc

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Atualmente, muitos deles nem conversam.
      Os namoros são "virtuais". Como dão início à vida sexual muito cedo, muitos deles acabam por optar, muitas das vezes, pelo sexo virtual. Esta é uma realidade para a qual as séries da Netflix têm chamado a atenção.
      Eu que sempre tive problemas com o peso, em ambos os polos quase extremos, fico abismado ao ver o que consomem os miúdos, por exemplo, do 10.º ano, com total consentimento dos pais. Cantina? Nada disso. Enfim...

      Eliminar
  3. O isolamento da criança terá as suas consequências
    Abraço
    Kique

    Hoje em Caminhos Percorridos - Pensando em me matar…

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que sim.
      Já é bem percetível, mas insistem em não fazer nada. A sociedade está desprovida de afetos e sentimentos nobres. A cada um, o respetivo nariz. Pouco importa o do outro.
      Abraço,
      P.

      Eliminar
  4. Sou contra isso. E estou a testemunhar um caso de perto: um miúdo que mudou de escola e porque anda de transportes públicos e a vida dele mudou radicalmente, os avós deram-lhe um telefone de 400€, o puto que jogava futebol, brincava com o meu cão quando aqui estava, agora, saca do telemóvel para jogar e mandar mensagens a meio mundo. É triste ver isto acontecer

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo contigo.
      Pessoalmente, defendo a utilização dos “tablets” como ferramentas de aprendizagem. O meu não tem um único jogo, e não há ano em que o não tenha de mostrar aos meus alunos.
      Há €400 para um smartphone, mas certamente já não os há para um “tablet” com acesso exclusivo a ferramentas tais como Geogebra, calculadora, jogos didáticos, manuais em versão digital, e tantas outras ferramentas de grande utilidade. O mesmo se aplica caso os smartphone tivesse em vista tais APP, sem acesso à maioria das redes sociais.

      Eliminar
  5. Na minha opinião, a geração atual de pais e mães não estão sensibilizados com os malefícios pelas crianças estarem tanto tempo frente aos ecrãs, porque não cresceram com tal problema.... portanto é necessário uma sensibilização constante!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente, na demissão de funções, muitos oferecem tais aparelhos aos filhos, por forma a mantê-los entretidos. Outro lado da história, pois não deixas de ter razão. 5.º ano e telemóvel, por exemplo, parecem duas variáveis dependentes.
      Nos restaurantes, quantos pais têm os filhos distraídos com um "tablet", enquanto fazem a refeição? Assustador.

      Eliminar
  6. É bastante preocupante. É que e hoje em dia apenas se vêm crianças com birras para terem os telemóveis ou tablets. Eu não sou exemplo porque sou viciada. Mas apenas para escrever, ler e ver... Mas sou contra afazerem todas as vontades apenas para is verem calados. Não se pode cuspir para o ar!

    -
    Soubesse eu, dos grãos de areia, o seu valor "Poetizando e Encantando"
    Beijo e um excelente fim de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Partilho da mesma opinião.
      Também não dispenso o meu tablet. Além de ferramenta de trabalho, permite escrever, ler, tirar e trabalhar fotografias, fazer mindfulness... Contudo, em certas aplicações controlo o tempo de utilização.
      Beijos,
      P.

      Eliminar

Enviar um comentário

Este blogue é feito de histórias reais, que se misturam com emoções e valores, entre alguma ficção. Também de pessoas com opinião, sentimento e uma mão que se estende.

Não deixe de comentar!


Um abraço do
P. P.

Mensagens populares deste blogue

O Afastamento dos Professores do Ensino

O Professor está a dar cabo de mim

Pelo que ao ler, não deixe de abrir as hiperligações.

Ao longo dos anos, a vida de professor tem-se revelado “stressante”, associada a percursos deambulantes, com propósitos dúbios. Assim induz um Ministério insensível, intolerante, inerte, incapaz e desatento à saúde dos seus atores. Os dias de tranquilidade parecem não se avistar, tal é Esta Vida de Marinheiro. Por vezes, por forma a avaliar o nosso humor, já que os deuses devem estar loucos, há Azar na Praia.
A vigilância de exames é uma das minhas aventuras intermináveis. O mutismo forçado e a postura “hirta”, sem nada de estimulante, qual Amocha Maria. A ansiedade instala-se, pois ver alunos em sofrimento, sem nada poder fazer não me é fácil. Dias em que. Não tem Talo o Grelo.
Naquela manhã, o calor fazia-se sentir, adivinhando-se não encontrar quem dissesse: “Eu Descasco-lhe a Banana”. Após o duche, decidi vestir uns calções confortáveis, aparentemente adequados, apesar de ter emagrecido. Ao sair de casa, já atrasado, eis que a min…

Amor Marginal