Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

[in]Sensato

Momentos de reflexão, opinião e entretenimento, no deambular entre pólos

[in]Sensato

Momentos de reflexão, opinião e entretenimento, no deambular entre pólos

Nas Escolas o Coaching para alunos é necessário

 

woman-1006102 by Pixabay

 

 

 

 

   Muito ouvimos falar em insucesso escolar.

Eu próprio condeno o funcionamento de muitas Escolas Básicas, os currículos desajustados dos níveis etários dos alunos e a rapidez que nos é pedida, a nós professores, para os abordar, e às crianças/ adolescentes para os assimilarem. É fácil entrar em stresse. 

   No 2.º Ciclo e seguintes, o ME há muito terminou com as aulas de Estudo Acompanhado. Quantos livros comprei para ensinar a estudar... Agora, pratica-se "Apoio ao Estudo", umas vezes por semana, orientado por professores de diferentes áreas curriculares e que raramente dominam a linguagem matemática como quero. Isto em algumas Escolas, claro está e não sendo os colegas da minha área, não têm obrigação para tal. Ou seja, eu posso não dar Apoio ao estudo às minhas turmas e dar a outras, blocos de apenas 45 minutos. Esta é uma situação que já se passou comigo, em determinado Agrupamento. Escusado será dizer que, cheguei ao fim do ano, praticamente sem saber o nome dos alunos das outras turmas (horrível!). Conste que exemplifiquei com a minha área porque outros problemas há com as restantes, designadamente, por exemplo, a língua estrangeira e a história, entre outras.

  Importante é, em meu entender, pegarmos em alunos com dificuldades ou não e servirmos de ombro amigo. Sermos aquele com quem sabem que podem contar e desabafar. Como diziam os meus alunos de Seia, quando lhes perguntava porque me contavam certos pormenores, eis a resposta: "Porque o setor não se vai xibar como os outros". Creio tratar-se de linguagem dos Morangos com Açúcar... Continuando, além de um suporte aos problemas pessoais, um suporte ao estudo, à melhoria do desempenho. Aquele que se preocupa em debater com o aluno, "onde erramos ao estudar para esta prova? No que temos de mudar?". Isto é, o Professor Coach. Penso que nas palavras da magnífica Dr.ª Celina, psicóloga clínica, com quem trabalhei em Trancoso, nos meus tempos de professor de Educação Especial, esta designá-lo-ia como "professor referência, com quem os alunos sabem que podem contar". 

 

De seguida, deixo-vos um manual, em espanhol, com várias ideias: COMO-SALIR-DEL-HOYO.pdf

 

Espero que vos seja útil!

 

 

 

Entrevista ao Fotógrafo Paulo César, a Nu

   Paulo César é um dos principais fotógrafos portugueses responsável pela emancipação do homem no nosso país, antes designado por metrossexual. Ao seu olhar, sem pudores, a nudez masculina adquiriu beleza e ultrapassou fronteiras. Domínios antes só ao alcance das mulheres.

Vamos conhecê-lo melhor.

 

 

Paulo César - Foto cedida pelo autor

 

 

 

PP: — Quem é Paulo César?

Paulo César:  Um eterno insatisfeito. Em tudo dou o meu melhor e tento que as pessoas se superem. A fotografia é, desde sempre, uma das minhas paixões. Já foram inúmeras as exposições que fiz, algumas delas fora do país, publicações em livros, capas de CD, centenas de portfólios, etc.

A revista Online Sexy Magazine, projeto para o qual fui convidado para ser o fotógrafo principal e que de imediato aceitei, tinha a mais valia de ser a primeira, não apenas vocacionada para o desporto, a dar destaque ao homem. Depois de um interregno de muitos meses, devido a questões que nada têm a ver com a revista, vai regressar em breve. Desde já, convido todos os modelos e fotógrafos, profissionais ou amadores, com portfólios de nus e seminus, a enviarem os mesmos para sexymagazine.pt@gmail.com. As pessoas que se queiram propor a fazer sessão devem enviar algumas fotos para o mesmo e-mail

 

De Paulo César, cedida por PC

 

 

PP: — De que forma surgiu o interesse por fotografar a nudez masculina, quebrando barreiras e intervir em concursos, até então desconhecidos no nosso país, como o Mister Facebook ?

Paulo César: — Para que o nosso trabalho e paixão comecem a fazer parte do nosso dia a dia e do nosso trabalho não basta ser bom, não basta ter sorte, há que ser diferente, e o nu e a seminudez masculina não eram de facto regra, naqueles tempos, num país de falsos pudores e moralismos. O portal Olhares fez-me ver algumas das coisas que se faziam e bem por cá. Naqueles tempos, o único fotógrafo que fotografava o nu masculino e bem era o João Pedro Sousa do Porto, e eu quis ser um dos bons, um dos que mostrasse sem pudores e sem falsos moralismos o potencial de qualquer pessoa, para fotos sensuais, artísticas, e algumas até ousadas.

O concurso Miss & Mister Facebook Portugal foi o primeiro a aparecer online e à escala nacional, com eventos ao vivo e com Finais ao vivo. De lá saíram muitas participantes que fizeram carreira ao nível da imagem, outros melhoraram a autoestima, muitos fotógrafos criaram os seus portfólios e adquiriram experiência. Os concorrentes do nosso país chegaram a ser os vencedores internacionais do concurso.

 

De Paulo César. cedida por PC

 

 

PP: — Uma prova de fogo levou-te à escrita de uma sentida obra cheia de sentimento. O que nos podes dizer a respeito desse momento e produção?

Paulo César: — A vida está longe de ser linear, e por mais que se façam planos e definam metas, muitas vezes somos surpreendidos, nem sempre positivamente. Estes quase dois de pausa deram-me tempo para pensar muito para não pensar também, e tempo para reunir e escolher textos, e o meu primeiro livro " Vendedor de Lágrimas " foi editado o ano passado. 101 textos escritos desde 2001.

São reflexões e estados de espírito. Algo muito pessoal, com as pessoas a reverem-se em muitos dos textos. Acabo por ajudá-las em exercícios de introspeção, a não terem pudores em deixarem os sentimentos à flor da pele, a não terem problemas em se tornarem humanos, frágeis e sentimentais, mas com toda a garra e coragem para seguirem caminho

 

De Paulo César, cedida por PC

 

 

PP: — O teu recente projeto consiste em retomar/renascer a Sexy Magazine, por onde passaram muitos dos participantes dos Reality Shows. Quais são os teus objetivos a curto e longo prazo? Nesta revista, apenas há lugar para corpos dentro da norma?

Paulo César: — É curioso como ao longo dos anos quer no concurso Miss& Mister Fashion Beauty Portugal e na revista online Sexy Magazine estiveram pessoas que depois chegaram ao mundo  dos reality shows-

Quero que a revista online regresse, apesar de me dar imenso trabalho- Trata-se de um projeto que abracei e que hoje em dia é meu, o qual pretendo cada vez melhor. Conto com o apoio e colaboração de todos os que estejam disponíveis para tal- Espero, cada vez mais. portfólios de outros fotógrafos, modelos consagrados e de pessoas que queiram vir a ser modelos.  Quero que seja abrangente, plural e também sem pudores ao continuar a ter portfólios sem filtro.

 

De Paulo César. cedida pelo autor

 

 

Para finalizar, um pouco de sensualidade, na nossa galeria.

 

 

 

 

 

 

Muito obrigado pela colaboração e tempo despendido.

Sê sempre bem-vindo.

Este espaço é também teu!

Insensato ou ai, ai, ai

Uriel yekutiel

 

 

 

   Há poucas semanas atrás tive conhecimento do vídeo Ma Asista Li, até então completamente desconhecido do meu panorama musical. Curiosamente, também não consigo clarificar quem é o intérprete. Arisa ou Uriel Yekutiel, a Drag Queen que nos aparece com ar cómico e trágico? Este é também bailarino. 

O outro rosto é Eliad Cohen, inicalmente ator pornográfico da MEN, seguindo a carreira de modelo e tendo voltado agora a uma produção pelos... colegas e qualidade de trabalho. Mas por que raio, Deus não me deu um corpo assim? Não era preciso ser tão perfeito. 

Voltemos ao que interessa.

Este vídeo tem provocado algum celeuma dado haver quem defenda promover a violência contra a mulher. Da primeira vez que o vi, sem qualquer filtro, senti uma dose de humor e pensei "mas também nos homens, amar em demasia ou cegamente leva à submissão de forma dúbia?"

 

Qual é a vossa opinião: estimulação da violência ou humor?

 

 

O Pensamento Simplista

   Em 2006/2007, numa publicação do blogue de então, adicionei a seguinte imagem com a definição de pensamento simplista.

 

 

Pensamento Simplista by PP

   Mais tarde, em 2014, reeditei a publicação com novas constatações. O conceito simplista parecia fazer ainda mais sentido do que antes. 

 

   Atualmente, perante o contexto dos patamares da sociedade, a degradação de um país, a corrupção, a falta de valores, a inversão de papeis e os milagres gerados entre quatro paredes, continuamos ou não um país, na generalidade, de pensamento simplista?

A fotografia que decidi não publicar

 

Só há até já

 

 

 

   Este publicação devia estar acompanhada de uma fotografia. Não, não é a do cabeçalho. 

Uma fotografia de há 3 anos, retratando dois momentos, referentes a uma visita 2 semanas antes ao meu pai e a seguinte. Enquanto a minha mãe o visitava todos os dias, nos HUC, eu saia a correr das aulas, para cuidar da minha avó, já na altura dependente. Ainda em relação à tal fotografia, tive que a trabalhar para que não pensassem que se tratava de um morto. Tanto era o sangue na sua boca, lábios, face... É um pouco semelhante à do vosso lado direito.

Pela 1ª vez não contive as lágrimas à frente dele, após uma saída da minha mãe, num momento de demência. Era notório que estava a servir de cobaia, que aquele autotransplante de medula fora um esquema e que eu nada tinha para colocar certa Prof.ª Dr.ª em tribunal, salvando assim, quem sabe algumas vidas. Ainda hoje tenho alguma dificuldade em perdoar-me.

Perante doentes oncológicos devemos mostrar força. Inclusive aquela que não temos e a que vamos buscar não sei onde. Apesar de ter disfarçado com os olhos claros e óculos uma alergia, a médica assistente fez questão em dizer à minha mãe que eu tinha estado a chorar. Logo à minha mãe, também ela doente oncológica, junto a quem nunca chorei. Ela que sempre se mostrou forte, até ao dia em que ambos caímos (sempre fomos parecidos)...

Sim, neste momento choro. Lembro-me da minha amiga de sempre. A Lenita, quantas vezes pensaram que éramos irmãos, e os desígnios das nossas vidas. Quantos sonhos frustrados. Ainda sonharemos?


Choro por nem todas as formas conducentes à morte serem justas. E digo-vos, o meu pai tinha muitas imperfeições. O nosso relacionamento não foi fácil, não sendo eu rebelde, até que com muita psicoterapia entendi-o. Mas não fingia como tantos(as) outros(as). Ensinou-me a ser justo, humilde, a ele devo grande parte da cultura musical e tantas outras coisas que não soube expressar por traumas de uma guerra injusta, a do Ultramar. Aqui está a fonte de tantos males.


Pautam em mim as injustiças de quem não sabe o que é metade das vivências de um cuidador a tempo inteiro, talvez até parcial, e/ou de doentes terminais. Quantos juízos vazios!

 

 

Atualmente, como cuidador de uma doente de Alzheimer em estado terminal e de uma doente oncológica sinto-me incapaz. Há uma parte do filme que se repete, há o lado psicológico e quem insista em nos reduzir a nada e veja como detentores de uma vida perfeita. Certo é que coitadinhos não somos! Posso relatar alguns momentos de intenso prazer: dar chocolate à minha avó, fazer-lhe bolinhas de sabão, por creme ou trazer-lhe um champô novo. E ainda fala! Fala porque há estimulação e a medicação mais forte é dada nas doses mínimas e só em SOS. Claro que, os gritos de dor arrasam-nos.Com a minha mãe, o não conseguir chegar à origem dos medos, os alertas de outros cancros em nada relacionados com o 1-º; ou seja, aquela presença,...

 

Se no trabalho, nós cuidadores, somos respeitados ou acarinhados?... Não é preciso tecer comentários.

Desde muito cedo, talvez pelo professor ter realizado o mestrado e doutoramento na América, fui ensinado que para as aulas não devemos ir com olheiras, nem a expressar cansaço. Sempre tive olheiras. Aprendi-o nos anos 90, quando comprar um corretor de olheiras não era assim tão fácil e deixava muita gente a olhar para mim. Com isto, quero dizer que evito ir com aspeto de coitadinho ou fazer-me de tal.

 

Ontem, fez 3 anos que nos deparamos com o meu pai, numa cama de hospital, com várias hemorragias, infeções e a delirar.

 

Por razões óbvias, este texto não está bem escrito. Não o vou reler. Não quero.

Quando falam em privilégios dos professores, só me ocorre "selva".

É um direito que me assiste, não é? As Escolas são empresas despersonalizadas, muitas vezes desumanas, com muito show off.

 

Uma realidade a reter: Para muitos, é tão difícil projetarem-se nos outros...😥 Mesmo com a barriga bem grande, valorizam o seu umbigo de tal forma e mentem de forma assustadora.